Conexões Sonoras 2

São Paulo, Brasil. 09 e 12 de junho 2011
Mostra de Arte Multimídia
Museu da Imagem e do Som
http://www.ibrasotope.com.br/conexoes/

Durante quatro dias, cinco obras inéditas de jovens artistas que integram música experimental, tecnologia e outras artes serão expostas. O evento, cuja entrada é gratuita, prevê ainda reforçar a interação com o público por meio da internet e de mesas redondas

Ibrasotope promove a segunda edição da mostra Conexões Sonoras no MIS – Museu da Imagem e do Som. Serão realizadas apresentações, instalações e mesas-redondas, com todas as atividades gratuitas.

Nesta segunda edição, o número de artistas envolvidos com a criação das obras é maior –
são doze artistas, envolvidos com a criação de 5 obras. Além disso, haverá diálogos mais
aprofundados entre a música e outras artes – em cada um dos trabalhos há a participação tanto de artistas atuantes no meio da música quanto artistas de outras áreas (dança, artes plásticas, teatro, poesia).

Segundo Lilian Campesato, curadora da Mostra, “em sua segunda edição, a Mostra continua a apoiar-se na confluência da música experimental com outras formas artísticas, mantendo seu propósito de estimular a criação e circulação de trabalhos inéditos desenvolvidos por jovens artistas. Experimentalismo e diversidade de concepções estéticas são a tônica dessa segunda edição, contando com instalações sonoras e performances envolvendo video-poema, dança multimídia, teatro musical, abstracionismo sonoro e interatividade”.

Além desse estímulo à criação artística inédita, outro aspecto relevante da mostra é o
compartilhamento dos processos criativos dos artistas na Internet, permitindo que o público interessado entre em contato com as ideias dos artistas, meios de criação e posturas estéticas.
Isso, juntamente às mesas redondas que serão realizadas durante o evento, servirão de estímulo à reflexão e à circulação de ideias sobre a criação artística atual.

Tais aspectos – o fomento ao trabalho de criação e o estímulo à reflexão – são preocupações
centrais do Ibrasotope, núcleo de música experimental sediado em São Paulo, ativo desde 2007, que idealizou e organiza este evento.

Conexões Sonoras 2 – Mostra de Arte Multimídia é um projeto realizado pelo MIS – Museu da Imagem e do Som e conta com o apoio do Governo do Estado de São Paulo, Secretaria de Estado da Cultura – Programa de Ação Cultural – 2010.

Apresentações

Na sexta, às 20h, a Sociedade Baderna de Teatro e Outros Atentados apresenta a performance musical DeCapitu, composta para duas atrizes e sons eletroacústicos em 4 canais. A obra parte de uma leitura particular do Dom Casmurro, de Machado de Assis e busca uma linguagem em estado de grito. Aproxima aspectos da música e do teatro, ao mesmo tempo em que os desloca para uma situação performática na qual a organização tanto de elementos sonoros quanto cênicos coloca em evidência a presença e os limites físicos da voz e do corpo das atrizes. Tanto partitura quanto cena convertem-se em proposta de ação: não há interpretação musical, não há representação teatral. Há corpos que se fazem ouvir e vozes que se corporificam. Com a participação de Rodolfo Valente (música), Pedro Mantovani (direção cênica), Liliana Junqueira e Melany Kern (atrizes).

No sábado, às 20h, o Coletivo Andreia Yonashiro, Henrique Iwao, Marcelo Muniz & Mário Del Nunzio apresenta a obra Trio, que consiste em uma (poli-)obra constituída por três camadas sobrepostas. A primeira camada está mais próxima da noção de “obra musical”, a segunda de “arte cinética / performance” e a terceira de “obra de dança”. Essas camadas são coordenadas por uma estrutura, que define a quantidade de seções e as durações de cada seção da obra; o nível de atuação e de protagonismo de cada camada durante cada seção; momentos em que uma camada deve incorporar elementos de outra camada.
Camada 1 – Música: composta para saxofone, guitarra e percussão. Inclui 9 solos, 99 duos e 3 trios, que, de modo análogo à estrutura geral da obra, são compostos de modo independente, mas com interpenetrações e sobreposições. O material sonoro é pensado a partir da relação gestual, física, entre instrumentos e intérpretes, de modo que por vezes aproxima-se bastante de uma noção de coreografia realizada sobre instrumentos musicais.
Camada 2 – P-Blob VVA: envolve a criação de campos de luz e cor, usando o padrão RGB;
instrumentário inclui abajures, monitores de vídeo, lanternas, brinquedos luminosos, geradores de cor e imãs. Operação de luz repensada a partir de práticas tidas como musicais.
Camada 3 – Movimento: composta através da aplicação da Coreotopologia: o estudo do espaço como processo composicional, que busca aproximações entre o movimento humano e certos modelos da física e da matemática.

No domingo, F? apresenta o espetáculo Ovo durante todo o dia, das 11h às 21h.
Ovo é um processo imersivo de doze horas em um ambiente sinestésico criado coletivamente, onde os participantes trocam seus processos criativos entre si e com o público, com a intenção de criar uma poética de escutas corporais e subjetivas, analógicas e digitais.
Com a participação de Felipe Ribeiro, Ádega Olmos, Juliana Dorneles, Juliana Rinaldi, Kaloan Menoschite, Paulo Fávero e Pilantropóv Filofernandes.

Instalações

Luciana Ohira e Sérgio Bonilha são os artistas criadores de Corso, uma instalação sonora
que remonta um estúdio de gravação e mixagem de som, capaz de produzir produtos sonoros (gravações em algum suporte midiático). Configura-se como um agenciamento para reunir acontecimentos sonoros (musicais ou não) sob um dispositivo que integra gravação, mixagem, edição e publicação de compilações sonoras que retornam às veias, vênulas e capilares da cidade na forma de discos-gravura e pacotes binários. Essa é a idéia do presente projeto, nomeado “corso” a propósito de suas muitas faces e formas de aproximação em relação aos visitantes de um espaço expositivo.

O duo N-1, composto por Alexandre Fenerich e Giuliano Obici e a poeta Gabriela Marcondes fazem o video-poema-instalação interativa Atemporal. Este trabalho busca estabelecer conexões entre poesia, video e som através de uma instalação interativa que joga com imagem e som dos visitantes. Sugere-se que sobre um material pré-gravado do poema o público fale trechos dele num microfone frente a uma câmera de forma que imagem e o som deste gesto vocal componham um mosaico tendendo à saturação, sobrepondo a imagem e o som de cada visitante com outros que visitaram a instalação.

As instalações serão abertas na quinta-feira, às 20h, e ficarão abertas a visitação durante todo o evento.

Serviço

Conexões Sonoras 2 – Mostra de Arte Multimídia
Datas: de 9 a 12 de junho de 2010
Onde: MIS – Museu da Imagem e do Som
Endereço: Av. Europa, 158 – São Paulo/SP
Todos os eventos serão gratuitos

Apresentações:
- Quinta-feira, 09 de junho, 20h
Palestra de abertura com a curadora Lilian Campesato e abertura das instalações (Corso e
Atemporal) para visitação.

- Sexta-feira, 10 de junho, 20h
DeCapitu, com a Sociedade Baderna de Teatro e Outros Atentados.

- Sábado, 11 de junho, 20h
Trio, com o Coletivo Andreia Yonashiro, Henrique Iwao, Marcelo Muniz e Mário Del Nunzio.

- Domingo, 06 de junho, 11h às 21h
Ovo, de F?.

Instalações:
Estarão abertas para visitação durante todos os dias do evento. Sexta-feira e sábado das 12h às
22h. Domingo das 11h às 21h.

Mesas-redondas:
- Sexta-feira, 10 de junho, 18h
- Sábado, 11 de junho, 18h

Conexões Sonoras – Ficha Técnica:
Idealização e organização: Ibrasotope.
Realização: MIS – Museu da Imagem e do Som
Curadoria: Henrique Iwao e Lilian Campesato.
Produção: Mário Del Nunzio e Natacha Maurer.
Arte gráfica: Preface.
Projeto realizado com o apoio do Governo do Estado de São Paulo, Secretaria de Estado da
Cultura – Programa de Ação Cultural – 2010.

+ info http://www.ibrasotope.com.br/conexoes/

Deja un comentario